Campanha especial: Abraçando Patinhas

Antes tarde do que nunca, venho hoje abordar o grande assunto do mês de outubro do Rotaroots: a adoção consciente e a guarda responsável de cães, gatos e outros animaizinhos que precisam da nossa solidariedade.

Esta blogagem coletiva faz parte do projeto Abraçando Patinhas, uma iniciativa do Rotaroots em parceria com a marca de ração Max – da fabricante Total Alimentos. Esta iniciativa reverterá na doação de 1 tonelada de ração para a ABEAC, ONG responsável pelo bem estar de cerca de 1100 cães. Saiba mais sobre o projeto no site do Abraçando Patinhas ou participando do grupo do Rotaroots no Facebook.

Amo todas as formas de vida, em especial aquelas que não têm como se defender dos maus tratos humanos – que vivem dependendo do cuidado, do carinho e da proteção que, infelizmente, muitas vezes não recebem. Tenho um dó enorme dos bichinhos que vivem nas ruas, abandonados, magrinhos e famintos por qualquer pedaço de comida. Eles não têm maldade no coração e só querem um dono carinhoso para amar.

Quando a minha irmã disse que queria um cachorro, nós não tínhamos noção dessas coisas; não pensávamos nisso pois nossos pais não gostavam de ter animais em casa, mas mediante grande insistência, acabamos comprando a Laica em uma petshop. Hoje entendemos que a adoção é um ato de amor que deve ser incentivado acima da compra, que, por sua vez, incentiva um mercado de ganho de dinheiro às custas de pequenos seres vivos. Mas qualquer tipo de adoção de cachorros e gatos – seja comprado ou “encontrado” – é lindo e deve ser incentivado.

Abraçando PatinhasRecém chegada lá em casa, a Laica era uma bolinha de pelos.

Enfim, queríamos uma poodle pequenininha pra manter dentro de casa, que não fizesse muita bagunça – ah, como estávamos prestes a enlouquecer! A Laica era uma coisinha fofuxa cheia de pelos, que nem sabia caminhar direito e, quando o fazia, escorregava e caía no chão (ainda bem que, sendo tão pequenininha, o tombo não era grande!). Meus pais, a princípio, não davam muita bola pra ela, mas com o tempo percebi que eles estavam se apegando. Minha mãe não demorou a pega-la no colo, fazer carinho e amar aquela bolinha; meu pai relutou um pouco, pra não parecer coração mole, mas quando ninguém via, ele brincava com ela e mostrava o seu lado carinhoso.

Abraçando PatinhasPoder destruir a bolinha era uma alegria sem tamanho pra ela. Sobre a bagunça? É só arrumar!

Hoje em dia, somos uma família que ama e defende os animais e sabe a diferença que eles fazem nas nossas vidas. Depois da Laica, tivemos a Mel, que chegou grávida na nossa construção, mas que, infelizmente, depois de ter os filhotes, foi atropelada. Dos filhotes, ficamos com o Urso, um cachorrão que faz jus ao nome. Depois, adotamos o Tobi, que “morava” na árvore em frente da casa do meu namorado, mas alguns anos depois ele saiu de casa e voltou envenenado, já sendo tarde demais (até hoje meu coração dói por ele). Alguns meses atrás, adotamos uma pequenina chamada Lola, que, por sua vez, adotou a minha mãe. Hoje, temos a Laica em casa, e a Lola e o Urso na fábrica.

Abraçando PatinhasO Urso não parava quieto pra bater uma foto, e a Lola é tão medrosa que se a gente a soltasse, ela se enfiava dentro da casinha de novo.

Abraçando PatinhasE vocês acham que a Laica passa frio no inverno?

O amor que esses bichinhos nos transmite é sem igual. Eles nos dão muito sem esperar nada em troca, mas é nossa obrigação dar-lhes uma vida digna enquanto estiverem conosco. Afinal, eles são seres que respiram, sentem, amam e necessitam do cuidado que nós também precisamos. Há quem pense que eles não sentem nada e às vezes adotam um animal para uma temporada, até que se cansam e abandonam. O animal abandonado passa fome, frio, falta de carinho e muitas vezes é deixado à mercê de perigos como acidentes em rodovias. É um cenário muito triste. Pergunte-se: eu gostaria de ser deixado sozinho, ao lado de uma rodovia, sem ter para onde ir? Sem comida, sem moradia, sem ninguém? O animal se sente exatamente como você.

Eu gostaria muito que o nosso mundo soubesse valorizar os animais como eles devem ser valorizados; gostaria muito que as pessoas pensassem antes de agredir, abandonar ou mesmo matar um ser vivo. Ele fez alguma coisa errada? Fez xixi onde não devia? A Laica também fazia isso nos primeiros meses (e até nos primeiros anos), mas com o tempo ela aprendeu que isso não é certo. E eu não precisei bater, gritar nem machucar. Só falamos com ela, e lhe oferecemos carinhos e recompensas quando estava correta. Uma coisa é certa: se você for bom com um animal, ele saberá retribuir com uma vida plena de felicidade pra você.

Este post é uma blogagem coletiva especial do Rotaroots, em parceria com a Max – Total Alimentos, que conta com um programa de responsabilidade social chamado Max em Ação. Através do site, é possível fazer sua doação com valores a partir de R$6 (equivalente a 1kg). A cada doação feita para a ONG de sua preferência, a Max acrescenta mais 50% em cima. Ou seja: se você doa 10kg, a Max acrescenta mais 5kg e a ONG recebe, somente na sua doação, 15kg de ração.

Nós já temos garantido 1 tonelada de ração, mas que tal nos ajudar a aumentar este montante? Clique aqui para doar para a campanha e ajudar os nossos amiguinhos de quatro patas que tanto necessitam de nós para manter suas barriguinhas cheias. Se não puder ajudar, eu entendo, mas então compartilhe esse post pra ele alcançar pessoas que podem colaborar!


Nham! Obrigada, amigos!

POSTS RELACIONADOS

19 comentários

  1. Responder

    Jessica M

    29/10/2014

    AAAwwn meu Deus, que coisa mais fofa!
    Essa foto da Laica de roupinha tá demais! Quando meu cachorro veio eu fiquei perdida, e ainda mais que ele fazia a maior bagunça, queria morder tudo, rasgou minha calça…. Mas faz parte.
    Quando vi essa campanha do abraçando patinhas achei o máximo! Também tinha colocado o button no meu blog para incentivar e divulgar!
    Beijos!

  2. Responder

    alice

    29/10/2014

    pra mim o importante é cuidar do bicchinho seja comprando ou adotando, mas claro q adotar é legal pq além de economizar dinheiro vc tá dando um lar pra um bichinho q talvez ia ficar de lado sozinho pq ninguém quer. sei lá é uma parada complicada sabe, as vezes eles ficam nesses centros de adoções por muito tempo e quando está super lotado não duvido nada q tem lugar q sacrifica o bicho.

    • Responder

      Gabi Orlandin

      30/10/2014

      Tem toda a razão, Alice! Não importa de onde vem nossos bichinhos (da rua ou de uma pet), temos que dar carinho a eles e tratá-los bem. E infelizmente acho que o sacrifício deve existir em alguns lugares sim 🙁

  3. Responder

    Camila Lacerda

    29/10/2014

    Haain que gracinha *-*
    Amo animais,mas como ja tenho duas cadelas aí fica difícil ter mais uma ne? rsrs
    Eu estou amando essa campanha aqui pela blogosfera…

    http://www.chadecalmila.com

  4. Responder

    Re Vitrola

    30/10/2014

    Ai, também demorei a fazer, me enrolei por conta da viagem… mas tá super valendo!
    Todos que li até agora eu devo ter feito uns mil “ouuuuun” na frente do pc. Quanta fofura, gente!
    E adorei o nome do “Urso”, haha!

    Um beijo,
    Re

  5. Responder

    Karyne

    30/10/2014

    Que post puro amor! *-*

    Blog do Sofá

  6. Responder

    Fran Oliveira

    30/10/2014

    Muito legal isso da adoção, eu tenho três cachorros um ganhei, a outra eu comprei, e nossa última cachorrinha minha mãe pegou ela a rua pelo fato dela está bem magrinha e cheia de carrapatos, gastamos muito dinheiro com ela pra não morrer, mas valeu a pena cada centavo, hoje ela ta uma fofuura e bem gordinha*-*! Tem tantos cachorrinhos em abrigos ou nas ruas, que merecem tanto um lar. Se eu pudesse levaria tudo pra minha casa<333

  7. Responder

    Beatriz Cavalcante

    30/10/2014

    Que amorzinho de post!

    Poxa quanta história trágica com os bichinhos. 🙁

    Aqui aconteceu algumas coisas chatas também. A belinha era a cachorrinha que eu mais gostava e não sei qual foi a doença dela mas as perninhas de trás caíram e ela começou a se arrastar, a gente levou no veterinário e tudo mas já era tarde demais porque ela já não comia nem bebia água…. Mas quando ela tava boa era toda doida. Corria, brincava e estraga as coisas sempre. hahaha

    Aí depois dela todo mundo resolveu que não ia ter mais cachorro em casa e adivinha? Apareceu um cachorrinho bem pequeno na porta de casa chorando. Minha mãe deu comida mas não pegou ele, passaram alguns dias e ele tava seguindo minha mãe. Ninguém pegou também, mas ai ele quase foi atropelado e ela trouxe ele pra casa. Agora ele ta aqui já faz um tempinho. Grande e gordo. HAHAHAHA

    Se todo mundo pensasse assim o mundo seria um pouco melhor. Vejo tanto cachorro na rua magro e todo judiado que da dó. Mas não tem como a gente trazer todos para casa, né?

    Muito bonita a iniciativa do Max. <3333

  8. Responder

    Carla Vieira

    30/10/2014

    Ownn gente, que post mais lotado de fofura. Eu adorei escrever esse post, foi super prazeroso, é um assunto muito importante e falar sobre animaizinhos de estimação é uma delícia. Infelizmente, ainda não tenho nenhum, mas já tive na infância e sinto muita falta do Stitch, sim o nome dele era do desenho Lilo e Stitch haha
    Beijos, adorei muito seu post e fiquei encantada com a Lola [love]

  9. Responder

    Isa

    30/10/2014

    Gente como a Lola é liiiindaaaaa! E detalhe, eu sempre quis ter um cachorroo pra colocar o nome de Urso ou uma fêmea pra colocar de Ursa e o seu Urso faz juz ao nome mesmo.. Ele é grande mas é lindo <3 Adorei os seus pequenos e sinto as perdas que já tiveram, sei na pele que dói.. E yeey vamo que vamo pra crescer essas doações!

  10. Responder

    Marcella Castro

    30/10/2014

    Parabéns pelo incentivo à campanha!! Se eu pudesse ajudava todos! Faço trabalho voluntário com cães resgatados de rua, se quiser conhecer ou ajudar, é só olhar meus compartilhamentos no facebook! Estamos com uma Yorkshire de 9 anos de idade de um casal de idosos sem condição financeira que cruzou com um shih tzu.. ela está debilitada e precisaremos fazer a cesárea, pois sua última cria pelo que soubemos, nasceram 8 e morreram todos, e na anterior nasceram 8 e morreram 4.. então como será dessa vez né? Ela está mal cuidada, com muitos carrapatos.. vamos fazer exame para saber se está com a doença do carrapato, se possui problemas do coração ou anemia. Mas estamos pedindo ajuda no face porque não temos o dinheiro da cirurgia, é R$500,00 isso porque o preço “normal” varia de 800 a 1mil, mas conseguimos esse preço com um amigo veterinário! Em 1 semana só conseguimos arrecadar metade desse valor, e a cirurgia será daqui a 10 dias! Peço que compartilhe com seus amigos, e com quem você acha que pode ajudar! 🙂 Bjs e obrigada pela atenção!

      • Responder

        Gabi Orlandin

        02/11/2014

        Oi, Marcella!
        Parabéns pela sua iniciativa. Fiquei emocionada com o seu relato, espero de coração que consigam o valor para a cirurgia. Eu gostaria muito de doar, mas só tenho conta no Itaú, e o valor pra transferência entre bancos é uns 10,00. Vou ver se consigo ir na agência do BB ou Bradesco um dia dessa semana pra fazer uma ajuda, tá? Vou fazer o possível. Compartilhei a foto no meu perfil também.
        Vou ficar torcendo para que tudo dê certo, porque ela é uma linda.
        Beijos.

      • Responder

        Rebecca

        13/07/2015

        Marcela o link não está entrando, queria saber mais sobre esse trabalho voluntário 🙁

  11. Responder

    Anne

    31/10/2014

    Amei o post e a iniciativa!
    Sempre amei animais e já tive e tenho pets de várias espécies, quase todos adotados, e o amor e a gratidão que eles demonstram não tem preço!
    Beijo

  12. Responder

    Fernanda Rocha

    14/11/2014

    Amo animais e me corta o coração também quando vejo bichinhos na rua abandonados, dá vontade de levar todos para casa. Achei muito legal esse post, vou citá-lo no post sobre links interessantes no meu blog. Grande bju

    • Responder

      Gabi Orlandin

      14/11/2014

      Será um prazer aparecer no seu post – não tanto pela divulgação do meu, mas sim pela divulgação do projeto, que merece destaque.
      Beijos.

  13. Responder

    Rebecca

    13/07/2015

    Nossa você não tem noção de quanto eu fiquei emocionada com esse post, sério. Ajudo Ongs de animais desde bem pequena, mas infelizmente, como sempre ganhei meus “filhinhos”, nunca tive a oportunidade de adotar! 🙁 obrigada pelo post e tenha certeza que eu vou ajudar com as doações!
    P.S. Caso conhecer outras ongs, me avise pfv!

    Beijos,
    http://www.blogdabecca.com.br

    • Responder

      Gabi Orlandin

      14/07/2015

      Que coisa boa, Becca! É ótimo ajudar <3 Se lembrar de outras, te falo, sim!
      Beijos :*

ESCREVA UM COMENTÁRIO