Há alguns dias, descobri um pequeno arrependimento pessoal no mundo da literatura: o fato de não ter conhecido a história e o mundo (e a invenção!) de Hugo Cabret antes. Cinco anos após a minha aquisição do livro, e dez anos após a publicação pela editora SM, eu finalmente decidi que seria a vez desta leitura. E, uma vez começada, não consegui parar até chegar à última página.

A invenção de Hugo Cabret livro resenha

A invenção de Hugo Cabret
Brian Selznick
Editora SM, 2007
534 páginas

Compre na Saraiva Adicione no Skoob

Prepare-se para entrar em um mundo onde o mistério e o suspense ditam as regras. Hugo Cabret é um menino órfão que vive escondido na central de trem de Paris dos anos 1930. Esgueirando-se por passagens secretas, Hugo cuida dos gigantescos relógios do lugar: escuta seus compassos, observa os enormes ponteiros e responsabiliza-se pelo funcionamento das máquinas.
A sobrevivência de Hugo depende do anonimato: ele tenta se manter invisível porque guarda um incrível segredo, que é posto em risco quando o severo dono da loja de brinquedos da estação e sua afilhada cruzam o caminho do garoto.
Um desenho enigmático, um caderno valioso, uma chave roubada e um homem mecânico estão no centro desta intrincada e imprevisível história, que, narrada por texto e imagens, mistura elementos dos quadrinhos e do cinema, oferecendo uma diferente e emocionante experiência de leitura.

A invenção de Hugo Cabret é um livro que pode assustar à primeira vista, por seu tamanho – afinal, são mais de 500 páginas! Mas não se engane: a maioria delas são cheias de ilustrações ricamente desenhadas e que nos levam a um universo imaginário que as palavras não conseguiriam descrever com tanta clareza. São páginas e mais páginas de desenhos belamente desenvolvidos, que inserem o leitor dentro de uma Paris de 1931.

A história conta a vida do menino Hugo Cabret, que tem a incrível habilidade de consertar qualquer tipo de mecanismos, mas sua especialidade são os relógios. Morando escondido em um quartinho dentro da estação de trens parisiense, Hugo conserta os relógios do local, assim como seu tio o instruiu. Escondido nas profundezas, ele vê Paris de cima, e mal pode acreditar que a sua sorte estaria para mudar em breve.

A invenção de Hugo Cabret livro resenha

A invenção de Hugo Cabret livro resenha

A invenção de Hugo Cabret livro resenha

Misturando realidade e ficção e inserindo personagens reais dentro do enredo, o autor Brian Selznick criou uma história tocante, emocionante e belíssima, nos mostrando que nada acontece por acaso. Cada pecinha tem o seu lugar, cada acontecimento tem o seu momento de vir à tona, e cada pessoa que entra em nossa vida, entra por um motivo.

“Sabe, as máquinas nunca têm peças sobrando. Elas têm o número e o tipo exato de peças que precisam. Então, eu imagino que, se o mundo inteiro é uma grande máquina, eu devo estar aqui por algum motivo. E isso quer dizer que você, também, deve estar aqui por algum motivo.”
Página 378.

A invenção de Hugo Cabret livro resenha

A invenção de Hugo Cabret livro resenha

A invenção de Hugo Cabret livro resenha

Hugo Cabret também virou filme! O longa foi lançado em 2011, e o personagem principal é interpretado por Asa Butterfield, que também fez parte do elenco de “O lar das crianças peculiares”, em 2016.

Não deixem de ler e se emocionar com as belíssimas ilustrações feitas à mão de As invenções de Hugo Cabret. Apesar do tamanho, é uma leitura de apenas um dia, que vai levar você a um mundo mágico, cheio de mistérios, aventuras e uma Paris histórica, que vai encantar você a cada página virada.

POSTS RELACIONADOS

ESCREVA UM COMENTÁRIO