James Bowen – O mundo pelos olhos de Bob

resenha do livro O mundo pelos olhos de Bob james bowen

O Mundo pelos Olhos de Bob
James Bowen
Editora Novo Conceito, 2014
224 páginas

Depois de um passado difícil, James foi adotado pelo gato Bob. Agora os dois têm um emprego de verdade (são vendedores ambulantes de revistas) e se tornaram personalidades conhecidas em toda Londres. Bob tem muitos admiradores, que passam todos os dias para vê-lo – alguns deles trazem cachecóis de lã para ajudá-lo a enfrentar os dias mais gelados. Entre truques adoráveis e manhãs de puro mau humor, Bob e James se tornam cada vez mais inseparáveis. Por trás da divertida história de um homem às voltas com seu animal de estimação, o segundo livro de James Bowen fala sobre amizade e esperança. Bob se torna a chave que traz James de volta ao mundo, a motivação que faltava para sua decisiva volta por cima. Impossível terminar de ler O mundo pelos olhos de Bob sem querer abraçar seu pet – ou adotar um!

Quando peguei o primeiro livro de James Bowen nas mãos, no ano passado, imaginei tratar-se apenas de mais uma história sobre animais de estimação que, de uma forma ou outra, faz o seu dono mudar a forma como enxerga algumas coisas; ou que talvez especial, em as pessoas mudam de vida em decorrência de algum ensinamento que o bichinho lhes transmitiu. Mas a história de James e Bob vai além, muito além de qualquer ensinamento que já testemunhei em livros, filmes ou vídeos na internet. A história deles é uma superação, e não só James aprendeu com Bob, como o contrário também aconteceu. A amizade deles foi um aprendizado de mão dupla e, neste segundo livro, James prova mais uma vez que a força desse companheirismo pode superar as maiores adversidades do dia a dia, fortalecendo-as.

“O mundo antes de conhecer Bob parecia um lugar cruel, insensível e, sim, sem esperança. O mundo que passei a enxergar através dos olhos do meu gato é muito diferente. Houve um tempo em que eu não conseguia distinguir um dia do próximo. Agora, valorizo cada um”. Página 219.

Viver nas ruas não é uma vida fácil; existem pessoas mau intencionadas e que gostam de incomodar, tirar sarro e, de alguma forma, fazer com que os trabalhadores das ruas se incomodem e aborreçam. Existem todos os tipos de pessoas e, vivendo nesse meio, se fica à deriva de todas elas. Além do mais, há assaltos e o frio cortante do inverno – nesse caso, o frio Londrino, com seus dias brancos de neve. Mas é claro que também há pessoas boas e generosas que fizeram amizade com os “meninos“, dando-lhes “bom dia”, parando para uma conversa de vez em quando, ajudando no que podiam e, às vezes, até trazendo pequenos presentes, como guloseimas, comidas e cachecóis para Bob! *-* É assim que James retrata a vida nas ruas: você nunca sabe pelo quê esperar. E, mesmo assim, ele agradece:

“Eu disse a mim mesmo que deveria ver o mundo como Bob. Afinal, havia tantas coisas boas pelas quais eu deveria ser grato”. Página 14.

Para quem não conhece essas duas figuras, vou comentar rapidamente: James viveu uma infância bastante turbulenta, com a separação de seus pais e as constantes mudanças de casa e escola. Diagnosticado com transtorno bipolar, veio a Londres muito cedo tentar a vida de músico, mas ela não deu nada certo. Como consequência, passou a viver nas ruas, entrou no mundo das drogas e afundou-se na heroína durante dez anos confusos de sua vida. Mas, um dia, já tentando se livrar da dependência, James encontrou um gatinho laranja muito maltratado na porta de um de seus vizinhos. Mesmo sem dinheiro, tratou-o e deixou-o livre para ir embora quando quisesse – afinal, era um gato de rua, então por que ele quereria ficar com James e sua vida difícil? Mas Bob ficou, e ensinou incríveis lições a James; lições que ele nunca aprendera com ninguém antes, e que um pequeno e travesso gatinho foi capaz de lhe mostrar.

resenha do livro O mundo pelos olhos de Bob james bowenFonte: Flickr

James fazia apresentações nas ruas com seu violão, e depois passou a vender revistas (a Big Issue, projeto destinado a ajudar as pessoas que estão se livrando dos vícios e da vida nas ruas); depois de conhecer Bob, ele tinha mais uma companhia para o dia a dia – e quem vai duvidar se eu disser que eles fizeram o maior sucesso juntos? James percebeu que muito mais pessoas paravam agora, pois Bob chamava atenção, e adorava o carinho que recebia. Além de uma companhia, James recebeu um instinto de amizade e respeito de seu novo amiguinho, além de até um instinto paternal, que imaginou nunca ter na vida.

resenha do livro O mundo pelos olhos de Bob james bowen O mais legal é a parte em que ele conta como aconteceu a oportunidade de publicar seu primeiro livro. Desde que uma pessoa apareceu em seu ponto de venda pedindo-lhe para contar sua história, até o momento em que teve seu livro em mãos, James não acreditou. Mesmo no lançamento, ele não podia acreditar que aquilo estava acontecendo. Eu admito que chorei lendo sobre sua gratidão e sua imensa alegria, no momento em que caiu de joelhos, emocionado pela multidão que estava ali por ele.

Esse livro é simplesmente lindo, lindo, lindo! Já fui conquistada no primeiro, e este segundo só veio para fortalecer a minha crença de que, se você realmente deseja que algo dê certo na sua vida, precisa parar de se esconder: tem que agir! James e Bob são a melhor lição de superação e de aguentar firme perante as adversidades que eu conheço.

Navegando pelo YouTube, encontramos diversos vídeos sobre James e Bob, e gostaria de deixar apenas um aqui pra vocês, que gostei bastante. Sou acostumada com o inglês americano, então o britânico soa um pouco estranho para mim, mas dá para ter uma boa ideia do que ele está falando. Espero que gostem! 😉

POSTS RELACIONADOS

8 comentários

  1. Responder

    Danieli Barbara

    maio 16, 2014

    Oin…. Fiquei com lagriminhas!!! Eu que amo os meu gatos (tenho 2: a Dóris e o Jorge), sei como esse peludos podem ser importantes em momentos difíceis. Sempre que eu choro a Dóris corre pra mim chega bem perto do meu rosto e fica me olhando, como quem dissesse: pára, eu estou aqui!
    <3 <3 <3

  2. Responder

    Fabiana Strehlow

    maio 16, 2014

    Oi, Gabi!
    Este livro é maravilhoso, assim como Um Gato de rua chamado Bob!
    Eu amo o Bob! E agora estou lendo o terceiro livro: Bob, um Gato fora do Normal.

    Beijos e ótimo final de semana!
    [omg]

  3. Responder

    alice aguiar

    maio 17, 2014

    cara eu não leria os livros que estão relacionados ao bob pq não me interessa muito, mas acho que para quem curte esse tipo de leitura deve ser bem legal.

  4. Responder

    Jessica

    maio 17, 2014

    Aaawn que vontade de ler esse livro, mas eu sinto como se as lágrimas fossem tomar conta de mim ao ler ç_ç /odeio chorar em livros
    Estou apaixonada com o Bob e o James <3
    BlogInstagram

  5. Responder

    clay

    maio 18, 2014

    Eu ia comprar esse livro mas fiquei com receio, ia pegar pela capa que é linda hahaha, mas agora lendo sua publicação, me interessei =)

  6. Responder

    Dezi Faustino (Tsuwabuki)

    maio 19, 2014

    Eu quase chorei lendo a sinopse e a resenha, vou ter que providenciar caixas de lenços quando eu começar a ler o livro xD Ainda não li o primeiro, ainda quero ler e lendo a tua resenha sobre esse segundo livro, aumentou mais ainda a minha vontade de ler… pior que agora eu tenho dois pra ler xD
    Eu tenho um gato e duas cadelinhas, acho que de certa forma a gente se identifica um pouco, um bichinho de estimação muitas vezes é muito mais do que um bichinho de estimação. Nos momentos mais difíceis da minha vida eles estavam junto comigo e da forma deles me apoiaram, eles são meus melhores amigos e não pedem nada em troca.
    Cara, me tornei fã do Bob xD

    Adorei a resenha <3
    Beijos!

    • Responder

      Gabi Orlandin

      maio 20, 2014

      Dezi, também acho que os bichinhos de estimação são mais do que isso – pelo menos no meu caso e no seu. Tenho uma cachorrinha, e aqui em casa ela é quase da família, e tipo uma filha pra minha mãe. A gente se apega muito a eles, e sim, eles noa ajudam sempre, da forma que podem. Leia a história do Bob, vale a pena. 🙂
      Beijos.

  7. Responder

    Nathila

    junho 30, 2014

    Esta história é realmente apaixonante! Não há como não criar um amor ou carinho especial por esse pequeno ser maravilhoso que é o Bob [love]
    Esse livro demonstra uma relação de amor simples, puro, verdadeiro e sincero… O amor de Bob é o mais sincero que existe! Amei o livro!

ESCREVA UM COMENTÁRIO