Lisa Kleypas – Uma chance para recomeçar

Resenha do livro Uma chance para recomeçar

Uma chance para recomeçar
Lisa Keyplas
Editora Novo Conceito, 2015
176 páginas

Livraria Cultura

Victoria morreu em um trágico acidente, deixando sua filha Holly sob a responsabilidade do seu irmão, o solteiro convicto Mark. O tio Mark não se sentia muito preparado para cuidar da menina, mas assumiu o compromisso de devolver o sorriso aos seus lábios. No entanto, ele descon fia de que não esteja fazendo um bom trabalho, uma vez que Holly nunca mais falou desde que ficou órfã. Uma cartinha para o Papai Noel revela um desejo que pode ser a chave da felicidade de Holly: ela só quer ter uma mãe.

Maggie perdeu o marido em uma batalha contra o câncer e não quer jamais – passar por tudo isso de novo. Por isso, ela fechou seu coração e prometeu a si mesma dedicar-se somente a sua nova loja de brinquedos em Friday Harbor, que permite às crianças viajar um pouco nas asas da imaginação. A amizade entre Maggie e Holly (que até passou a acreditar em fadas!) ao mesmo tempo comove e preocupa o tio Mark. Ele tem certeza de que a nova amiga fará bem a sua sobrinha, mas precisa decidir se a deixará entrar em sua própria vida. Nós também torcemos, do fundo do coração, para que Holly tenha uma linda noite de Natal.

Existem livros que nos emocionam de verdade, daqueles que já sabemos que vai emocionar; mas existem também aqueles que nos pegam de surpresa e, quando a gente percebe, ele nos fisgou de forma mansa e quietinha. Uma chance para recomeçar é um desses livros. Eu não acreditava que a história fosse me marcar tanto e me fazer ficar horas grudada nas páginas como fiquei, e foi uma agradável surpresa ver que, em pouco mais de 170 páginas, eu fui levada para um romance tão puro, tão real e muito sincero.

Lisa Kleypas ambientou seu romance em uma pequena ilha chamada Friday Harbor, perto da cidade de Washington, nos Estados Unidos. O início da história nos marca pela morte da mãe da pequena Holly, de apenas seis anos, que é deixada aos cuidados do seu tio Mark Nolan. A princípio, Mark sentiu medo, pois achava que não conseguiria cuidar da pequena menina como ela merecia, mas o tempo provou que seu amor por ela fazia milagres. Além disso, ele tinha seu irmão, Sam, que cedeu a casa, mais espaçosa do que a dele, para que eles pudessem morar. Porém, a pequena Holly não falava desde o acidente e morte da mãe. Ela não se comunicava com ninguém, não por opção, é claro. Provavelmente ela estava traumatizada e, de tão triste, calou-se para o mundo.

Porém, quando Mark foi à loja de brinquedos da ilha com Holly, a dona da loja, Maggie, criou um vínculo forte com a menina. Através de palavras doces e uso da imaginação infantil, eles ouviram Holly pronunciar algumas pequenas palavras. Após seis meses, era a primeira vez que a menina falava.

Às vezes, as coisas que parecem mais comuns têm mágica… você só precisa olhar com bastante atenção. Página 34.

Daquele dia em diante, Mark e Maggie passaram a se ver cada vez mais; algumas vezes por feliz coincidência, outras vezes de propósito. Porém, Maggie era viúva e, como tal, ainda sofria pela perda do marido. Ela não queria ninguém em sua vida; por outro lado, Mark tinha uma namorada em Seattle, e estava satisfeito com seu namoro, pois faria bem para Holly ter a figura de uma mulher em sua vida. O que eles não sabiam, é que o destino tinha outros planos.

Resenha do livro Uma chance para recomeçar

Fica muito claro o que vai acontecer a partir de então, certo? Foi por causa disso que eu não esperava ser arrebatada com um romance tão belo e puro como este. Na verdade, eu não estava tão empolgada com a leitura até ler dois comentários, em algum lugar na internet, que diziam mais ou menos isso: “o romance mais fofo do ano” e “um tipo de Nicholas Sparks escrito por uma mulher”. É só juntar fofo + titio Sparks que eu fico doida pra ler. E eu não me arrependi nem um pouco.

Logo no início, a gente percebe que é impossível não se apaixonar por todos os personagens desta história. Até mesmo o personagem de quem a gente não gosta não é uma pessoa má. A namorada de Mark, por exemplo. De cara, eu não a queria ali no enredo, pois ela ia complicar a história de Mark e Maggie. Porém, ela não é uma vilã, é uma pessoa boa. Todos os personagens deste livro são incríveis, e isso não é chato. É cativante e encantador.

É verdade que, em 174 páginas, não vemos muita evolução da história, e tudo se passa muito rapidamente. Porém, desta forma a autora não se prolongou em cenas em que não era necessário, e deu a devida atenção aos momentos especiais da trama. Além de ser um romance super fofo, ele ainda é muito rápido de ler, pois a escrita da autora é fácil e fluida, e também arranca várias risadas do leitor – no meu caso, até gargalhei em algumas partes.

Se você está procurando um romance gostoso de ler em um final de semana, Uma chance para recomeçar é perfeito. Clichê sim, mas muito, muito lindo. E como uma história de milagre de Natal deve ser.

POSTS RELACIONADOS

6 comentários

  1. Responder

    Katrine

    29/06/2015

    Oi, tudo bom?
    Adorei sua resenha, essa capa é um doce né? Eu gosto de livros assim, leves, românticos e com aqueles típicos clichês, principalmente para ler naquele fim de semana após uma semana cansativa.
    Um beijo.
    Garota do Livro

    • Responder

      Gabi Orlandin

      01/07/2015

      Oi, tudo bem sim, e com você?
      Que bom que gostou da resenha. Esse livro é mesmo uma delícia de ler! <3
      Beijos.

  2. Responder

    Beatriz Cavalcante

    29/06/2015

    Que fofinho! Eu gosto desses romances fofos bem carinha de sessão da tarde ou Nicholas Sparks. Não tem como você não torcer para o casal e ficar esperando que eles se apaixonem logo. E eu tenho um sério problema com namorado/namorada porque eu acabo não gostando dessa terceira pessoa que está ali só atrapalhando, hahaha. [secret]

    Beijos!

    • Responder

      Gabi Orlandin

      01/07/2015

      Também não gosto dessa pessoa que está ali pra atrapalhar, Bia! Hehehe! Acho que é normal. Mas nesse livro, até essa pessoa não é má. A gente meio que fica com pena dela, um pouco. rsrs!
      Beijos.

  3. Responder

    Fernanda Luz

    04/07/2015

    Que história fofa…parece ser bem emocionante. Apesar de ser um estilo comum de histórias, sempre me emociono. Coloquei na lista de desejados.

    • Responder

      Gabi Orlandin

      05/07/2015

      É bem isso, Fer! Não é uma história fora do comum, mas a autora soube conduzir o leitor direitinho e criar uma história que emociona. <3

ESCREVA UM COMENTÁRIO