Resenha do filme: O Pequeno Príncipe

resenha do filme o pequeno príncipe

O pequeno príncipe
Atores principais: Mackenzie Foy (garota), Riley Osborne (pequeno príncipe) e Jeff Bridges (aviador).
Gêneros: animação, fantasia, adaptação.
Direção: Mark Osborne
Duração: 1h46min
Lançamento: 20 de agosto de 2015
País: França

Uma garota acaba de se mudar com a mãe, uma controladora obsessiva que deseja definir antecipadamente todos os passos da filha para que ela seja aprovada em uma escola conceituada. Entretanto, um acidente provocado por seu vizinho faz com que a hélice de um avião abra um enorme buraco em sua casa. Curiosa em saber como o objeto parou ali, ela decide investigar. Logo conhece e se torna amiga de seu novo vizinho, um senhor que lhe conta a história de um pequeno príncipe que vive em um asteróide com sua rosa e, um dia, encontrou um aviador perdido no deserto em plena Terra.

Provavelmente todos os leitores que conhecem e amam a história do Pequeno Príncipe ouviram falar sobre esse filme. Uma adaptação que prometia ser linda, inovadora e que iria encantar os espectadores – desde os pequenos até os adultos. Uma história que mistura os desenhos de Antoine de Saint-Exupéry e as inovadoras técnicas atuais de animação. Mas será que é tudo isso mesmo? Com um trailer super bem feito, comentários positivos e críticas que incentivavam qualquer um a correr para o cinema, a minha expectativa estava nas alturas. Eu estava muito ansiosa pra conferir essa adaptação. Qual foi o resultado? EU AMEI. Cada detalhe, cada pedaço da história, tanto a original quando a que foi incluída para o filme. O resultado dessa mistura, que poderia não agradar tanto aos leitores fãs do Pequeno Príncipe, foi tão bem colocada dentro dos nossos dias atuais que eu acredito que ninguém saiu do cinema decepcionado. Falo por mim, ok? Por mim e pelas minhas lágrimas, aliás.

resenha do filme o pequeno príncipe

A história do Pequeno Príncipe vocês já conhecem, certo? Vou presumir que sim, mas se você veio de outro planeta (talvez do asteróide B612? *-* ) leia a minha resenha sobre o livro clicando aqui. No filme, a história original foi explorada na sua totalidade, mas o diferencial é a outra história construída ao redor dela. Tudo gira em torno de uma menina que está se mudando com a mãe para uma cidade, que posso chamar de cinza, quadrada, sem graça e sem vida. O mundo agora é esse: somente se pensa em trabalhar, conseguir subir na carreira e nos estudos e ter um plano de vida completo, calculado e sem espaço para diversões. A menina tem um, criado pela sua mãe (que mal para em casa, por falar nisso). Nele, ela precisa estudar, ter horários fixos e rígidos para atividades e não se dispersar do que precisa fazer. O objetivo: conseguir entrar para a escola mais conceituada da cidade.

Tudo ia conforme o cronograma da mãe, até que uma hélice de helicóptero quebra uma parede da casa da menina. Curiosa, ela vai investigar, já que está (sempre) sozinha em casa e precisa resolver todos os problemas como uma adulta (que ainda não é). O culpado é seu vizinho, dono da única casa que parece ter cor na região. É um velho maluco, curioso e que vai apresentar à menina uma história de outro planeta, literalmente. O velho e aviador só precisava de alguém pra contar a sua história antes que fosse tarde demais. E a menina precisava de alguém que a tratasse como a criança que ela é, com todo o direito de correr, brincar, gargalhar e… ser criança. Esses dois amigos improváveis vão conhecer o mundo, as alegrias e se meter em muitas confusões.

resenha do filme o pequeno príncipe

É engraçado como esse filme se parece com o mundo atual, ou, pelo menos, com o que parecemos estar nos tornando. Crianças com mil responsabilidades, pais que não param em casa, vizinhos alegres que são tachados de estranhos, pessoas que não se cumprimentam, individualismo, falta de humor. Pode ser um pouco exagerado, sim, mas se pensarmos pra pensar, isso não está muito longe de algumas realidades. Onde está o senso de humor, a piada, a brincadeira inocente? Onde se escondeu a liberdade, onde guardaram as risadas? Em muitos mundos, dentro de muitas pessoas, os sentimentos já são quase como as construções dessa cidade: quadradas, cinzas e sem vida. Mas a mensagem que o filme traz é que sempre há uma criança escondida dentro de cada um de nós, e é possível resgatá-la! “O problema não é crescer, é esquecer”.

Além da história, as imagens enchem os olhos. As cenas são misturadas entre as ilustrações do cinema e as aquarelas do autor, colocadas no filme como animações em excelente qualidade. Nós somos transportados para dentro da história, para o asteróide B612, para a cidade quadrada e sem vida, para dentro da infância da menina e da velhice solitária mas cheia de vida do aviador. O filme é encantador, mágico, cheio de mensagens extraordinárias para os adultos e as crianças, e vai agradar a família toda. Recomendo muitíssimo, tanto para aqueles que já conhecem a história quanto para os que querem conhecer algo novo. Vocês vão se encantar. *-*

Trailer:

Para quem tiver interesse, há um segundo trailer do filme. Eu achei que ele revela mais da história, por isso preferi não incluí-lo aqui no post. Mesmo assim, se quiser assistir, é só clicar aqui.

POSTS RELACIONADOS

17 comentários

  1. Responder

    Igor Tiago

    outubro 5, 2015

    Estou louco para fazer uma resenha desse filme também, acabei optando por assistir esse filme somente após a leitura do livro – consegui pegar uma sessão 3D ainda, rs. As expectativas para esse filme eram muitas e ao mesmo tempo mínimas, afinal, uma produtora não muito conhecida arriscando numa proposta muito boa. Essa história é bem louca, concorda? Nossa, sério, chorei tanto. A realidade se misturando com a ficção foi algo maravilhoso, além da critica à sociedade (a nós que deixamos o essencial de lado). Juro para você que após assistir esse filme, sempre fico repetindo algumas frases ou buscando meu cativar.

    Amo amo amo.

    • Responder

      Gabi Orlandin

      outubro 8, 2015

      Eu também peguei uma sessão 3D e não me arrependi. Concordo com você: apesar das altas expectativas, talvez eu tivesse um medinho lá no fundo de que não fosse tão bom quanto o esperado. Mas que bom que superou! Também chorei durante a história, ela é linda!
      Beijos.

  2. Responder

    Fabiele Feó

    outubro 5, 2015

    Tô super ansiosa pra assistir, não sobrou tempo ainda rsrs… Adorei a resenha, fiquei com mais vontade ainda aiai hehe beijos =))

    • Responder

      Gabi Orlandin

      outubro 8, 2015

      Quando puder, assista mesmo, Fabi. É um filme muito bonito. 🙂
      Beijos.

  3. Responder

    Camylla

    outubro 5, 2015

    Gabiiiiiii! Você vai me bater se eu te disser que nunca li o livro? Mas deixa eu me defender antes [smile] Eu nunca fui fã de leitura, mas quando soube que o filme estava pra sair, dei uma geralzinha na internet só para ver se era tudo isso mesmo que o pessoal fala e me encantei pelo resumão da história! Não sei se leria o livro porque não tenho paciência, mas com certeza na primeira oportunidade eu assistirei ao filme ♥

    E não me canso de me apaixonar pelo layout do seu blog, tá?
    Beijo,
    http://www.keepcamy.com/

    • Responder

      Gabi Orlandin

      outubro 8, 2015

      Vem cá que vou te bater, Camylla! Hahaha! Brincadeira, não posso nem falar nada porque fui ler essa história apenas há um ano atrás ou algo assim. Mas se tiver com vontade de ler, leia porque é bem curtinho e rápido. Em um dia dá pra terminar.

      Own sua fofa <3 Obrigada!
      Beijos.

  4. Responder

    Marcela

    outubro 6, 2015

    Eu ainda não vi o filme. Por um lado, tô louca atrás dele; por outro, já tô até com agonia do tanto que eu sei que vou chorar assistindo. Tenho um carinho enorme pelo filme (filme mesmo) de 1974, e já tô sentindo que a animação vai acabar comigo do mesmo jeito, hahaha.

    • Responder

      Gabi Orlandin

      outubro 8, 2015

      Eu acho que vi o filme de 1974 há um bom tempo, mas não gosto muito de filmes antigos, pra falar a verdade. Mas saiba que esse novo mistura elementos novos na história; mesmo que seja original do autor, o filme também inclui todo um enredo a mais. Talvez para quem espera algo somente fiel, se decepcione. Mas acho difícil, pois eles foram fieis à história e é lindo demais <3
      Beijos.

  5. Responder

    Leticia

    outubro 6, 2015

    ai, to morrendo pra ver esse filme!!! Sua resenha me deixou ainda com mais vontade. achei os gráficos dele tão amor [love]
    Nem sou muito fã da história original (apesar de ser uma graça), então pra mim mudar um pouco tá tudo bem hehe

    • Responder

      Gabi Orlandin

      outubro 8, 2015

      Os gráficos são lindos mesmo! <3 Bem diferentes de tudo o que vemos no cinema a todo momento. Eu achei que se fosse só a história original, ficaria até um tanto parado demais. Todo esse enredo deu movimento à história.
      Beijo!

  6. Responder

    neyara

    outubro 8, 2015

    Confesso que não sou a maior fã do Pequeno Príncipe, mas fiquei bem curiosa pelo filme, achei a história da menina bem interessante e realista e adorei o tipo de animação utilizado e o fato de usarem técnicas diferentes para separar as histórias.
    Adorei!
    Beijo

    • Responder

      Gabi Orlandin

      outubro 15, 2015

      Então você vai amar o filme, Neyara! Tudo bem não ser fã da história, os elementos a mais utilizados no filme ficaram perfeitos.
      Beijo.

  7. Responder

    Dai Castro

    outubro 16, 2015

    Acredita que ainda não assisti? Mas pretendo fazer isso em breve. Estou lendo criticas bem positivas com relação ao filme, sem contar que o visual está maravilhoso! Também estou com as expectativas lá no alto e tenho grandes esperanças que não vou me decepcionar <3

    • Responder

      Gabi Orlandin

      novembro 3, 2015

      Assiste sim, Dai! É um filme cheio de emoção!
      Beijocas.

  8. Responder

    Caio

    outubro 22, 2015

    Eu assisti, e achei esse filme muito bonito, chegue até a me emocionar.
    A trilha sonora é muito boa tambem.

    Só fui ler o livro depois de assistir o filme.

    • Responder

      Gabi Orlandin

      novembro 3, 2015

      Também me emocionei, Caio. A parte do final é linda. Bem lembrado, a trilha sonora é ótima! 🙂

  9. Responder

    RAYSSA LUNA CAMPOS

    maio 22, 2016

    interessante sua resenhs [smile]

ESCREVA UM COMENTÁRIO